Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Futebol de várzea gera mercado de uniformes de times periféricos

01/06/2023

times de varzea

#EmergeRepostaTexto de Paula Sant’Ana (texto) e Pedro Salvador (fotos). Edição: Thiago Borges. Arte: Rafael Cristiano . Originalmente publicado no Periferia em Movimento.

O Água Santa, que veio do futebol amador para o profissional há pouco mais de uma década e chega a sua primeira final na elite, é a ponta de uma cena gigante em SP.

Com camisetas inspiradas em grandes clubes, como Barcelona ou Corinthians, e elementos da própria quebrada, times de várzea catapultam negócios especializados nas periferias.

A gente mostra os bastidores de uma dessas empresas!

final do Campeonato Paulista, cuja primeira partida é neste domingo (2/4), tem um estreante: o Água Santa, que vai disputar o título com o gigante Palmeiras. O clima é de revanche, afinal em 2016 o time da periferia de Diadema derrotou o alviverde por 4 a 1, rendendo memes e provocações na internet. Os feitos são grandiosos para um time que começou no futebol amador e se profissionalizou apenas em 2011. E esse sucesso da agremiação é a ponta mais visível do que rola nos campos de várzea.

A cena antiga e numerosa nas quebradas paulistanas  tem competições próprias e reúne times tradicionais como o Inajar de Souza (da Cachoeirinha, zona Norte) e o Vila Fundão (na zona Sul) a grupos mais recentes e ligados a pautas sociais, como o Perifeminas (em Parelheiros, Extremo Sul) ou o Meninos Bons de Bola, formado por homens trans.

Isso extrapola a paixão pelo futebol. A várzea gera uma demanda de camisetas, calções, blusas, bonés e outros artigos esportivos personalizados, que traduzem histórias e identidades de cada quebrada – uma oportunidade para fazer negócios e gerar renda.

“A GENTE NÃO TINHA O INVESTIMENTO QUE PRECISAVA NA ÉPOCA, E AS COISAS FORAM ACONTECENDO ASSIM. A GENTE FOI PEGANDO EMPRÉSTIMO, VENDENDO CARRO, BENS… AQUELES BENS PEQUENOS QUE TINHA PARA CONSEGUIR INVESTIR NO MAQUINÁRIO E CONSEGUIR FAZER O PRIMEIRO BONÉ”

RAFAEL HEYN

O designer de 36 anos é um dos fundadores da A Fábrica Cria, uma das principais fornecedoras de material esportivo para a várzea de São Paulo, ao lado de outras empresas, como a KSports e a Uniex, por exemplo. Até empreender, Rafael já foi motorista de táxi e produziu banners e flyers. Antes disso, formou identidade, jogou e presidiu times da quebrada, como o Panela Problema Futebol Clube, agremiação criada em 2002 no Jaraguá (zona Noroeste paulistana), onde cresceu.

A vivência na várzea alimentou um sonho, rendeu conhecimento do que os times queriam e possibilitou contatos de potenciais clientes. Membro de uma família com experiência em costura, Rafael engatou a Cria quando encontrou um sócio.

Fundada oficialmente em julho de 2020, em momento crítico da pandemia de covid-19, a Cria começou fazendo bonés personalizados para times locais. Logo, vieram camisetas, agasalhos, corta-ventos e uniformes completos. Hoje, a empresa tem uma fábrica própria na Vila São José (Extremo Sul de São Paulo) e 3 lojas na capital paulista.

Além do Rafael, a empresa conta com mais 3mentes criativas que fazem todo o trampo rolar: Ed Faustino, cuidando de relacionamento e produção; Kleber Santos, à frente dos detalhes do bordado e também da produção; e Thiago Leal, na responsa da costura em geral.

LEIA TAMBÉM: Jogue como uma mulher com as LeSisters – Emerge Mag

CHAMA NO ZAP

De camisas inspiradas em times como Barcelona, Corinthians e outros grandes do futebol a “mantos” com aquele toque original da várzea, são muitos os detalhes que compõem o trampo.

“O cliente já chega falando o que ele quer. Se é um uniforme, uma camiseta, um boné. Essas informações geralmente são acompanhadas do logo do time, no nome, na região, no bairro, no mascote… Então, é esse conjunto, né? Isso já abre a mente dos nossos designers, que têm um conceito próprio do Cria”, detalha Rafael.

A marca se tornou conhecida nos próprios campos e nos grupos de whatsapp, em que dirigentes acabam indicando contatos. A chamada via zap responde por 80% dos pedidos, que também são feitos a partir de buscas no Google, em páginas do Facebook ou Instagram.

“VOCÊ CONSEGUE TER SEU TELEFONE ‘POLUÍDO’ (CONHECIDO) PELA VÁRZEA TE CHAMANDO: ‘QUERO UM DESENHO, QUERO UMA UMA ARTE, QUERO UM BONÉ”

RAFAEL HEYN

Em geral, a pessoa que deseja encomendar as peças entra em contato com os detalhes do que precisa e as principais ideias. Alguém representante da Cria responde e, se necessário, tira dúvidas para fechar o pedido – o mínimo é de 10 unidades. Depois de acordado, o pedido segue para o grupo de designers. Com a aprovação, o próximo passo é a confecção.

Cada loja tem alguém como representante e o atendimento pode ser feito tanto remota quanto presencialmente. Por meio de uma sistematização para organizar os pedidos, assim que a solicitação é feita ela já chega direto na Cria e os processos começam a correr. Existe uma logística de entrega em cada loja, mas a fábrica também possui contrato que permite o envio para o Brasil inteiro.

“Entramos em dezembro vendendo em um prazo de 5 dias. Hoje, nosso prazo é um dos melhores das confecções em São Paulo”, explica Rafael.

Atualmente aposentado, Evaldo Santana, 52, é diretor e jogador do Grêmio Esportivo Castelo, time do Parque do Castelo (zona Sul paulistana). Há 10 anos, ele conhece Rafael – e logo tornou-se um cliente da Cria. “Sempre estão inovando, buscando sempre melhorar a qualidade e tem um relacionamento aberto com os clientes”, conta.

As relações estabelecidas no futebol também contribuíram para conquistar a clientela do Coréia Zona Sul, time de várzea do Grajaú. O fundador do grupo conhece os sócios da Cria há bastante tempo, o que facilitou para fechar negócio.

“O que acredito que me fidelizou foi o valor compatível com os concorrentes, o material deles é muito bom e por motivos de amizade do dono do time”, observa Renê Batista, 36, que trabalha com transporte e atua no Coréia. “Os modelos têm muitas variedades, onde você tem a possibilidade de fazer chaveiros, bonés, bandeiras, bolsas, agasalhos, dentre outros”, completa.

Texto originalmente publicado no Periferia em Movimento.

Marcas de quebrada recriam camisetas do Brasil – Emerge Mag

Marcas da quebrada, Mile Lab, Corre e Andrart dão narrativa e estética periférica à camiseta do Brasil

Quem escreveu

Redação Emerge Mag

Redação Emerge Mag

Revista digital de cultura, direitos humanos e economia criativa interseccional e estúdio criativo de Diversidade, Equidade, Inclusão e Impacto Social.

Inscreva-se na nossa

newsletter

MATÉRIAS MAIS LIDAS

ÚLTIMAS MATÉRIAS

NEWSLETTER EMERGE MAG

Os principais conteúdos, debates e assuntos de cultura, direitos humanos e economia criativa interseccional no seu e-mail. Envio quinzenal, às quartas-feiras.