Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

O que é ecossocialismo por Sabrina Fernandes

05/11/2019

Socióloga do canal do Youtube Tese Onze ministrou curso sobre a corrente de pensamento e de ação que reivindica a defesa ecológica e a luta por uma alternativa socialista

Socióloga do canal do Youtube Tese Onze ministrou curso sobre a corrente de pensamento e de ação que reivindica a defesa ecológica e a luta por uma alternativa socialista

Nos últimos meses, o Brasil tem sofrido com calamidades ambientais. Não bastasse as queimadas na Amazônia, onde foi registrado mais de 43 mil focos de incêndio desde o começo do ano, agora dezenas de praias do norte e nordeste estão cobertas de petróleo de origem ainda desconhecida.

Favoráveis ou não ao sistema capitalista, é impossível não responsabilizá-lo por tragédias ambientais.

Há muitas décadas, a lógica que persiste é a de uso exacerbado de recursos naturais, desprezo às fontes de energia sustentáveis, consumo desenfreado e busca de lucro acima de qualquer custo (lembram dos casos de Mariana e Brumadinho?).

De acordo com um estudo da Universidade Nacional da Austrália, o aumento recente da temperatura da Terra teve início com Revolução Industrial. Com o passar dos anos, as emissões de CO2 cresceram à medida que a produção industrial aumentou, especialmente a partir da segunda metade do século 20 devido à forte aceleração do consumo.

A pergunta que fica é: será esse é o único modelo possível para a sociedade?

Para Sabrina Fernandes, socióloga especializada em economia política, a resposta é não. Ela diz que é mais do que possível criar um mundo que rompa com a destruição ambiental, a exploração e a opressão da vida e da natureza.

CURSO DE INTRODUÇÃO AO ECOSSOCIALISMO NO JARDIN DO CENTRO: ALTERNATIVA AO CAPITALISMO

Mas é necessária uma transformação radical e global, uma transição para um sistema chamado ecossocialismo.

Recentemente, Sabrina ministrou um curso de introdução a essa corrente marxista no coworking do Jardin do Centro, espaço no centro da capital paulista que abriga também uma floricultura, cafeteria, restaurante, auditório e salão de eventos.

Apesar do ecossocialismo enquanto movimento ser relativamente novo, suas raízes vêm de escritos do século XIX de Marx. Ele foi o crítico mais contundente e assertivo das falhas estruturais do capitalismo.

Ainda que as questões ambientais não fossem tão urgentes no século XIX como são para nós hoje, naquela época Marx criticava o saque sistemático que o capitalismo opera sobre a natureza e a interferência que causa no equilíbrio ecológico. No livro O Capital (1867), ele comenta:

“A produção capitalista perturba a interação metabólica entre o homem e a terra, isto é, impede o retorno ao solo de seus elementos constituintes consumidos pelo homem (…) Todo progresso na agricultura capitalista é progresso na arte, não apenas de roubar o trabalhador, mas de roubar o solo”

Um indício recente da ruptura metabólica que o capital provoca na ecologia foi a ação devastadora do furacão Dorian, que atingiu as Bahamas no começo de setembro.

Furacões são comuns por ali, mas não em categoria de nível cinco, quando os ventos ultrapassam 252 km/h. Também foi a primeira vez também que cientistas registraram um furacão estacionado por dois dias sobre as ilhas. O saldo dos estragos foi 66 mil pessoas desabrigadas e 50 mortes.

De acordo com climatologistas, foi o aquecimento global que tornou o furacão maior e mais mortal. Sabrina complementa:

“Tudo o que impacta um punhado de árvore, impacta também a nós, porque somos partes do metabolismo ecológico da Terra e estamos sujeitos as suas regras”

VERDE E VERMELHO

No Brasil, Sabrina é uma das principais referências no assunto. No mundo, há outros outros ecossocialistas contemporâneos populares, como Michael Löwy, John Bellamy Foster e Kohei Saito.

Esta foi a segunda vez que Sabrina ministra o curso “Introdução ao Ecossocialismo”. A primeira foi em maio deste ano, no Espaço Cult, também em São Paulo. Ela promete novas edições e revela que está trabalhando numa versão on-line, que será disponibilizada em breve.

“A ideia é que cada vez mais pessoas estejam habilitadas para falar sobre o assunto”, afirma.

O conteúdo do curso, que tem quatro módulos e é dividido em dois dias, é parecido com aquele que ela oferta gratuitamente para os 200 mil inscritos no Tese Onze, seu canal no Youtube. Mas, na aula presencial, a professora youtuber consegue aprofundar mais os debates e esclarecer dúvidas na hora.

Ao sintetizar os princípios básicos de ecologia dentro da crítica marxista, Sabrina quebra por terra também a farsa do “capitalismo verde”, aquele que produz canudo de metal e o vende em embalagens plásticas como “solução”.

“Quando dizemos que é ‘ecossocialismo ou extinção’ é porque de fato não há outro caminho possível”, afirma ela numa reformulação da frase de Rosa Luxemburgo “socialismo ou barbárie”.

LEIA MAIS: Quando música e atuação social caminham lado a lado

De modo bem simplificado, a conclusão que tiramos é que o ecossocialismo defende a produção e o consumo sob as reais necessidades sociais, criando um equilíbrio ecológico entre humanos e natureza, algo muito diferente do crescimento e expansão tresloucada proposta pelo capitalismo.

O sistema propõe ainda um conjunto de valores e padrão de vida abundante, não em dinheiro, mas sim em bem-estar, tempo e convivência social. Além disso, aborda uma melhor soberania alimentar, sem agrotóxicos e com mais respeitos aos animais, os quais a ciência já provou serem seres capazes de ter sensações e sentimentos de forma consciente. É como fala o tio Marx:

“O homem social, os produtores associados, regulem racionalmente seu metabolismo com a Natureza, trazendo-o para seu controle comunitário em vez de serem dominados por ele como se fora por uma força cega; que o façam com o mínimo emprego de forças e sob as condições mais dignas e adequadas à sua natureza humana”

Ao término do curso de Sabrina, a sensação que fica é um convite para pensar em uma sociedade mais igualitária, democrática, sustentável e eficiente para humanos e natureza. E a lição de casa é agir para tentar construí-la.

SERVIÇO
Jardin Do Centro
Cafeteria e loja de plantas. Um pequeno oásis verde no centrão de São Paulo.
Rua General Jardim, 490, Vila Buarque – São Paulo (SP).
De segunda a sábado, das 9h às 20h, e domingo, das 10h às 17h.
Siga o Jardin Do Centro no Instagram.

Diálogos e Café
Diálogos e Café é a nova editoria da Emerge Mag, fruto de uma parceria com o Jardin do Centro, que congrega a marca homônima; o Quintal do Centro; o Bento 43 e a Quadra 27. A parceria de mídia consiste, principalmente, na cobertura de eventos culturais, artísticos e de viés social de diferentes vertentes.

FOTOGRAFIA: Kalinca Maki

sobre o autor

Inscreva-se na nossa

newsletter

MATÉRIAS MAIS LIDAS

ÚLTIMAS MATÉRIAS

NEWSLETTER EMERGE MAG

Os principais conteúdos, debates e assuntos de cultura, direitos humanos e economia criativa interseccional no seu e-mail. Envio quinzenal, às quartas-feiras.